MENU
ESTAMOS AO VIVO

NO AR: Programa 1

Sábado, 26 de Setembro de 2020

Você já brincou hoje?

Você já brincou hoje?

Compartilhe

Quando falamos a palavra brincar podemos estar nos referindo a um verbo ou a um substantivo. O brincar como substantivo traz a ideia da alegria, da imaginação, do sonho e do se entregar por inteiro. Já o brincar verbo, nos traz à mente o movimento corporal, o movimento de ideias, de amizades e de memórias.
Na infância o brincar é atividade principal. No decorrer da nossa vivência o brincar perde vez para as nossas outras atividades e obrigações, mas ainda continua presente, mesmo os adultos e os idosos podem (e devem) usar a ludicidade no dia-a-dia. Podemos ver nas brincadeiras a oportunidade de minimizar o estresse e criar conexões emocionais com outras pessoas.
Quando brincamos usamos a imaginação, a criatividade, desenvolvemos a confiança, lidamos com nossas frustrações, praticamos a cooperação e a cidadania. Temos a oportunidade de criar diversas situações, sermos os mais diversos personagens e vivermos em vários mundos, em tempos distintos.
Mesmo sem perceber, ao brincar as crianças mobilizam várias informações e situações que se transformam em aprendizagens. Durante a brincadeira elas repetem, variam, recombinam, inventam, reconstroem o cotidiano. Percebem as relações entre opostos, como por exemplo: frio/ quente, cheio/ vazio, dentro/ fora, perto/ longe, acima/ abaixo… Desenvolvem a linguagem e a forma como se relacionam com o mundo.
A relação familiar é consolidada através das brincadeiras pois, acionamos nossa memória afetiva e resgatamos a infância. Podemos ensinar para as crianças novas brincadeiras, contar como foi a nossa infância, as aventuras que fizemos e as decepções que tivemos. Esses momentos fazem com que gerações de idades distintas se aproximem, além de contribuírem para um convívio harmonioso.
Quando tratamos do brincar sabemos que as possibilidades são infinitas! Podemos inventar brincadeiras, brincar com objetos e situações inusitadas, brincar com animais, com a natureza, com o nosso próprio corpo…. Podemos usar todo o repertório de brinquedos disponíveis no mercado, podemos usar jogos, (de estratégia, de tabuleiros, de cartas, eletrônicos…), é possível criar brincadeiras novas ou resgatar brincadeiras antigas, o mais importante é criar ou fortalecer vínculos afetivos com quem amamos.
O brincar é cuidar. Cuidar de si, da vida e do outro. E aí, prontos para colocar o brincar na lista de atividades diárias?
Sempre é bom lembrarmos a reflexão que Mia Couto nos traz: “ A infância não é um tempo, não é uma idade, uma coleção de memórias. A infância é quando ainda não é demasiado tarde. É quando estamos disponíveis para nos surpreendermos, para nos deixarmos encantar.”

Profª Lilian Baungratz de Oliveira
@lilianbaungratz
@lilianbaungratz.professora

error: Content is protected !!