MENU
Terça-feira, 27 de Outubro de 2020

Secretaria da Agricultura faz pesquisa para monitorar e combater o carrapato bovino

Secretaria da Agricultura faz pesquisa para monitorar e combater o carrapato bovino

Compartilhe

Consulta aberta aos produtores rurais do Estado do Rio Grande do Sul a respeito do carrapato bovino está aberta na Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). A pesquisa visa dar norte ao combate do parasito, que é responsável pela transmissão da Tristeza Parasitária Bovina (TPB).

“Desde 2015, todas as ações da secretaria têm sido direcionadas para o que a cadeia produtiva achava importante e necessário neste sentido. Os treinamentos, dias de campo e o diagnóstico gratuito de resistência dos carrapatos aos carrapaticidas são todas ações construídas junto ao setor. Agora, queremos colher uma percepção mais aberta, sobre o futuro dessas ações do serviço oficial de defesa sanitária, para o combate ao carrapato”, detalha o pesquisador José Reck, do Laboratório de Parasitologia do Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF), responsável pela consulta.

O formulário pode ser respondido por produtores rurais, médicos veterinários e demais profissionais associados à cadeia produtiva de bovinos, e está disponível no site da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural e pode ser acessado nesse link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSck3s_SzTxbikRmtdF4T5juzLLEEGmmqey0MXWsThFN4coiNQ/viewform

Tristeza Parasitária Bovina:

Transmitida pelo carrapato, a Tristeza Parasitária Bovina é responsável pela perda de 100 mil animais por ano no Rio Grande do Sul, segundo estimativas da Seapdr. A TPB também causa prejuízos devido à anemia e redução no ganho de peso do rebanho, bem como redução na produção de leite. Segundo dados compilados nos últimos dez anos pelo Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA/Seapdr), o final do outono e final da primavera concentram a maior parte dos casos de TPB no Estado.