MENU
Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021

Novembro Roxo: o Mês da Prematuridade

Novembro Roxo: o Mês da Prematuridade

Compartilhe

Novembro é o mês internacional de sensibilização da população sobre o nascimento de bebês prematuros, aqueles que nascem antes do tempo previsto.

Dessa forma, os objetivos da campanha do Novembro Roxo são debatidos durante todo o mês de novembro, mas sua concentração acontece no dia 17 de novembro, que é o Dia Mundial da Prematuridade.

Confira a seguir o depoimento do casal santo-augustense Elineia Dallabrida Pes e André Luis Pes.

André e Elinéia, sempre sonharam em ser pais. E após vários tratamentos, através de inseminação, conseguiram o tão sonhado teste positivo de gravidez.

Porém, por complicações na gestação, Ester nasceu com 24 semanas pesando 800 gramas, no Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre.

Elineia teve bolsa rota. Segundo ela até então não tinha noção do que seria ser mãe de uma bebê extremamente prematura, porque não tinha conhecimento sobre essa situação.

Ester permaneceu 105 dias internada na instituição. Assim começou a rotina de mãe de UTI. Elineia ressalta que o pior momento,” foi ver ela tão pequenininha entubada, e a sensação de sair do hospital sem ela”. Realmente nossa vida mudou radicalmente.

Que passou a ser de estar dentro de uma UTI. Muitos pensam que por estar na UTI, é somente ganhar peso, mas infelizmente vão surgindo as intercorrências, as transfusões de sangue, as ecografias, “é uma experiência única, e só quem vive lá dentro sabe o que significa”.

Aprendemos a conhecer todos os aparelhos de UTI, cuidar o monitor e o aparelho de saturação.

Questionada sobre os horários, Elineia comenta que podia ficar direto com Ester, era necessário sair em trocas de plantão, ou quando ocorriam procedimentos na sala com outros bebês. No início era permitido a presença do pai e da mãe, com o avanço da Covid-19, ficou mais restrito o acesso. Infelizmente não foi possível amamentar no peito, pois o organismo ainda não estava preparado para o nascimento de Ester, mas devido algumas complicações, tiveram que retornar ao Hospital Conceição da Criança, e lá tinha banco de leite e recebia leite materno de doadoras.

Indagada sobre, qual dica daria para as mães que estão passando por isso e Elineia diz, ter muita fé, confiar nos profissionais, e principalmente confiar na tua filha. Eles são especiais e vieram pra vencer na vida. Porque Deus sempre faz o melhor, tudo tem sua hora e momento, e se acontecer com a gente (porque nunca pensamos que vai acontecer conosco), respirar fundo e enfrentar, porque tudo passa.

Para fazer parte do grupo de WhatsApp do Jornal o Celeiro clique aqui.

error: Content is protected !!