Policial

“Quem matou meu filho foi Graciele e Edelvâlnia’’ afirmou Leandro

Depoimento de Leandro Boldrini durou três horas e meia

Um dos depoimentos mais aguardados do júri do Caso Bernardo foi o de Leandro Boldrini, pai do menino. Leandro que é acusado de planejar a morte de Bernardo junto com Graciele Ugulini na época madrasta do garoto. Leandro negou as acusações e afirmou que “não existe um pai matar um filho’.

Nesse terceiro dia de júri popular, no Fórum de Três Passos, Leandro que tinha o direito de manter-se em silencio, disse que fazia questão de falar de frente para os jurados. Leandro Boldrini responde pelos crimes de homicídio quadruplamente qualificado, ocultação de cadáver, falsidade ideológica, e de noticiar falsamente o desaparecimento do filho a polícia.

O depoimento do Réu durou três horas e meia, ele começou respondendo as indagações da juíza e logo após começaram as perguntas dos promotores, orientado por um dos advogados Leandro usou o direito do silencio diante das perguntas de um deles, segundo o advogado de defesa o promotor foi desrespeitoso em seu questionamento, mesmo diante do silencio de Leandro o promotor ainda realizou as perguntas.

Leandro admitiu em depoimento que foi um pai ausente e que seu papel muitas vezes foi de provedor, quando indagado sobre os vídeos de Bernardo com um facão ele afirmou que a intensão era de mostrar para psiquiatra e que foi instigado por Graciele que disse ‘’tem que gravar, tem que gravar’’, Leandro ainda afirmou que a relação entre Bernardo e a madrasta era conturbada.

Leandro finalizou ’’ vocês vão ver quem assassinou meu filho, e eu digo para vocês quem foi: Foi a Graciele e foi a Edelvâlnia.’’