Policial

Irmãos no Caso Bernardo: "Meu irmão é inocente", disse Edelvânia. Evandro implorou justiça e disse não ter culpa de absolutamente nada

Pedido de justiça, choro, culpa, julgamento e novas informações marcam depoimentos dos irmãos Wirganovicz
Edelvânia cumprimenta o irmão Evandro no Fórum Regional de Três Passos

Edelvânia e Evandro deram seus testemunhos hoje (14) pela manhã. Ela disse que cavou a cova para enterrar Bernardo sozinha; informou que Graciele a ameaçou se não cavasse e enalteceu que Evandro é absolutamente inocente. No salão do júri a ré desmaiou e o julgamento foi interrompido. Já Evandro em um depoimento curto, chorou bastante, se emocionou ao falar dos filhos e pediu que a justiça seja feita. Evandro destacou que não sabia de nada e é inocente. 

 

Edelvânia

Terceira ré a ser interrogada no julgamento do caso Bernardo, Edelvânia Wirganovicz começou o depoimento chorando e dizendo à juíza Sucilene Engler que os fatos relacionados à execução do crime não são verdadeiros. E afirmou:

— Não matei o Bernardo.

A ré disse que a amiga Graciele Ugulini não gostava de Bernardo e dizia que ele era rebelde e temia que machucasse a irmã. Sobre o dia 2 de abril de 2014, quando as duas teriam comprado pá, soda cáustica e o medicamento Midazolam, ela disse que Graciele foi a Frederico Westphalen para encontrar um amante. Mas teria havido um imprevisto e o encontro não ocorreu.

DETALHES DA VIAGEM

Edelvânia disse que Bernardo quis ir junto na viagem a Frederico e que a madrasta deu medicamentos para acalmar o menino. A ré contou que o combinado era que ela ficaria na praça com Bernardo para a madrasta ter o encontro amoroso. Mas o menino teria "surtado", nas palavras de Edelvânia, o que fez Graciele dar mais medicação para ele. Ao ver que o menino estaria desmaiado no banco de trás, Edelvânia teria pedido para socorrer o menino. Ao perceber que estava morto, Edelvânia teria pedido para ir à polícia, mas disse que foi ameaçada:

— Ela disse que ia sobrar tudo para mim, que eu era pobre e ela tinha dinheiro. Ameaçou minha família. Me pediu para enterrar o menino.Eu cavei sozinha pois sou forte, trabalhei muito tempo no interior. Se vocês quiserem cavo um buraco igual aquele na frente de todos vocês.

Evandro

Evandro negou qualquer participação no crime.

Ele justificou que mentiu sobre não ter ido às proximidades de onde Bernardo foi enterrado pois ficou com medo que a Justiça não acreditasse que ele não estava envolvido na morte do menino.Disse que foi até a localidade para pescar (costume que tinha nos finais de semana e férias).

Questionado sobre a relação com a irmã, diz que “esse outro lado dela não conhecia”, já que ela sempre a ajudou com a criação dos filhos.

Durante o depoimento chorou muito e encerrou a sessão dizendo que não fez nada e pedindo justiça aos jurados.