Policial

“Fui sim um pai ausente”, confessa Leandro

Depoimento de Leandro Boldrini deve se estender até o final de tarde

Por alguns instantes o salão do júri se manteve em silêncio. A expectativa era enorme de todos os presentes. O réu Leandro Boldrini iria começar seu depoimento. 
O advogado de Boldrini pediu para que ele virasse de frente para os jurados. Assim começou a parte da tarde no Fórum Regional de Três Passos.

Segundo o réu, os atritos entre a madrasta e o filho começaram em 2013, ano em que a filha do casal nasceu. “O irmãozinho mais velho talvez tivesse perdido aquela exclusividade que ele tinha”, afirmou Boldrini.

Entre afirmações como “a medida que o tempo ia passando ia apertando o coração” , quando foi perguntado sobre o período de sumisso do filho, e outras como sobre as roupas velhas de Bernardo - Leandro afirmou: “a Jussara tinha a ótica dela“, a tarde foi passando enquanto o pai de Bernardo tentou provar sua inocência.

Em determinado momento ele destacou a confissão de Graciele: "Então eu subi algemado até o segundo andar e encontrei Graciele e perguntei, você está envolvida com isso? E ela disse, - sim, eu matei o Bernardo-'' .