Geral

Estudantes se mobilizam em defesa da Educação Pública, Gratuita e de Qualidade

O corte pode afetar serviços básicos como pagamento de contas de água, luz, telefone, limpeza e segurança

O contingenciamento de verba de 30% para as universidades e institutos federais, proposto pelo governo federal, é motivo de preocupação de estudantes do Brasil inteiro, afinal em muitas universidades já foram suspensas bolsas de mestrado e doutorado.

O comunicado foi feito pelo secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC), Arnaldo Barbosa de Lima Junior, em uma entrevista ao Jornal Nacional na terça-feira, 30 de abril. O ministro Abraham Weintraub definiu ainda como "balbúrdia" o que acontecia dentro das instituições de ensino.

Nesta segunda-feira, 13, o Instituto Federal Farroupilha campus Santo Augusto se mobilizou no salão paroquial da Praça Pompílio Silva para uma mostra científica cultural. Com objetivo de alertar a comunidade sobre os trabalhos realizados na instituição, a ação realizou apresentações musicais, mostra de trabalhos técnicos, mostra artística e rodas de conversa.

 A mostra  foi uma parceria entre as lideranças estudantis e a instituição, para a estudante do curso técnico em administração e diretora social do grêmio estudantil, Pabola Graupe de Almeida, os estudantes estão mobilizados para defender a educação pública, gratuita e qualidade, “a mobilização começou após o corte de 30% nas verbas, a partir disso vimos que como estudantes não poderíamos ficar parados. Pois há chances de ficarmos sem a instituição já em setembro, porque não haverá verbas para manter o funcionamento”.

A diretora geral do IFFar Santo Augusto, Verlaine Gerlach afirmou o apoio da instituição ao movimento estudantil, “nós apoiamos a ação dos estudantes porque pela primeira vez eles estão sentindo o impacto de uma forma mais intensa, os cortes já estavam acontecendo e as instituições vinham trabalhando para que essa falta de recurso não afetassem os alunos nem decaísse a qualidade do ensino.”

Com esse corte as instituições podem ficar sem verbas para serviços básicos “com o corte orçamentário, não se tem nem a garantia de serviços básicos como contas de água, luz, telefone, limpeza e segurança. Inclusive a reitoria está fazendo um estudo e provavelmente não teremos recurso para finalizar o ano letivo” afirmou a diretora do IFFar Santo Augusto.