Policial

CASO BERNARDO: 3 TESTEMUNHAS DEPÕEM NESTA MANHÃ (13)

Trabalhador de propriedade rural de Leandro Boldrini, professora e amiga de Lenadro Boldrini e perito compõem as testemunhas da quarta-feira (13) até este momento
Julgamento volta às atenções para Boldrini nesta quarta

Manhã começou com tensão no Fórum Regional de Três Passos.

Primeira testemunha:

 A primeira testemunha, Luiz Omar Gomes Pinto, que trabalhou em propriedade rural de Boldrini foi questionado quanto à saúde mental e física do Menino Bernardo. Entre os destaques está a firmação de Luiz ao lembrar que sua esposa era preocupada com Bernardo e inclusive chorava em casa devido aos olhos tristes do garoto e ao fato de ele estar mal vestido. De acordo com o ex funcionário no pouco tempo que esteve com o médico Leandro  não era um pai agressivo e matinha um padrão de tranquilidade.

Em dois momentos a juíza suspendeu o julgamento devido a uma discussão entre o advogado e Edelvânia e Luiz Omar. Em outro momento mais uma vez suspendeu o júri devido já que alguns testemunhas estavam passando mal. Após o ocorrido todos passaram bem e o júri seguiu normalmente.

Segunda testemunha:

A professora Maria Lucia Cremonese foi a segunda testemunha. Ela conhece Leandro desde criança e disse que ele foi criado em uma família dura. A professora disse ainda que ele não reagia nem mesmo quando xingado na escola e que seu pai era um “ogro”.

Terceira testemunha:

O Perito Criminal aposentado Luiz Gabriel, contratado pela defesa de Leandro Boldrini diz que viu “indícios fortíssimos de falsificação gráfica” da rubrica questionada na receita médica utilizada para a compra dos remédios.

Perito também mostrou a comparação da assinatura questionada com uma das assinaturas padrão, separadas de documentos de Boldrini.

“Gente isto é uma parada anormal da caneta. A pessoa parou a rubrica para reiniciar o risco depois de conferir uma assinatura de Leandro para copiar corretamente. Fui verificar em todas as assinaturas padrões de Leandro Boldrini e não há essa parada que a receita utilizada mostra. Isso é um indício poderosíssimo, um elemento importante para a conclusão das falsidades gráficas. Como os peritos explicam essas divergências que estou apontando? Como vocês explicam o ponto anormal de parada que Leandro nunca fez? Escandaloso flagrante de falsificação. Flagramos porque usamos um microscópio”, disse ele.

O Períto aponta sete pontos divergentes para comprovar que não é assinatura de Leandro. Vale lembrar que ontem a secretaria de Leandro foi testemunha e se mostrou bastante indecisa: após afirmar que Leandro tinha apenas uma assinatura,  disse que o médico tinha mais que uma. O que leva a questão: quem tem razão? O Períto? A secretária do médico?

Tudo isso pode vir à tona de novo hoje quando o Ministério Público iniciar as

perguntas.