Bruna de Moraes Silva
Brigadeiro de colher e as opiniões

Com o tempo a gente aprende que tem gente que gosta de brigadeiro, gente que ama e gente que come uma colher de chá de negrinho e toma um copo de água de 500 ml porque está doce de mais. Primeiro a gente estranha e questiona todas as opções que sejam diferentes da nossa escolha, depois a gente acostuma com as diferenças. Que bom! É na infância, nos brigadeiros de panela que uma mensagem muito importante é passada pela Professora Vida: cada um de um jeito e ponto. E o bom já é saber disso quando nem sabemos falar o “r” ainda, pois as contestações só crescem ao longo dos anos. Isso é maravilhoso, cada um com uma dosagem de brigadeiro. Mas ao mesmo tempo, o ser humano é meio excêntrico e o cérebro extremamente complexo: quantas vezes nos indignamos com alguém que discorda ou pensa o oposto de nós? Mas somos assim mesmo. Entender a diferença de dosagem de negrinho é tão fácil, mas quando o doce não é brigadeiro vira confusão de paladares. Lula, Dilma, rosa para meninas, azul para meninos, Bolsonaro. Preconceito ou piada? Bullying ou brincadeira? Rir do que não pode? Ser sério demais? A internet vai trazer a próxima Guerra Mundial - eu acho.

No sentido figurado, o verbo achar significa: fazer um julgamento, uma consideração; julgar, supor, considerar. Veja bem, quando achamos algo, estamos supondo algo, e mesmo “achando” um monte de coisas, muitas vezes optamos pela negação à opinião alheia. Uns não negam, odeiam mesmo! Estranhos tempos em que tudo vira ódio e #. Opinando, criticando, apoiando, renegando, quando – muitas vezes- nem dominamos os assuntos. É tudo posto ao pé da letra. Eu sou #elesim, meus colegas de Jornalismo me detestam. Falou que é #elenão, morreu pra meio milhão de habitantes. Difícil entender os paladares alheios. Falta respeito, espaço ao outro, viver cada um na sua vida no Brasil. Se você estiver na Austrália, Londres, USA e olhar meio atravessado pra alguém com piercing nas bochechas e na testa, pode tomar uma surra. Isso é uma ofensa nesses lugares, até olhar dói. Cada um é o que quiser ser. Aqui, infelizmente, a quantidade de brigadeiro ainda incomoda. #odeiobrigadeiro #amobrigadeiro #amoquemamabrigadeiro #detestoquemodeiabrigadeiro #amoquemdetesta que preguiça, né?